Cultura

O espetáculo já foi apresentado em Buenos Aires, Montevideo e Porto Alegre. Em Curitiba, o show acontece nos dias 5, 6 e 7 de maio, com entrada franca.

O Projeto é realizado com recursos do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura: Fundação Cultural de Curitiba e Prefeitura Municipal de Curitiba, com incentivo da Ademicon e do Shopping Mueller. Para as apresentações de Curitiba, o espetáculo conta com o apoio do Sesi Cultura Paraná, por meio do Edital Espetáculos e da cessão da sala Black Box do Centro Cultural Sistema Fiep – Unidade Dr. Celso Charuri, no centro de Curitiba. No show do dia 7, haverá transmissão ao vivo pelo Canal do YouTube do Sesi Cultura Paraná.

Sobre a vivência de apresentar o show fora do país, o músico Ulisses Galetto, que está no grupo desde a primeira formação, conta que o público foi muito receptivo em todos as apresentações. “O que mais chamou a atenção do público foram os tamancos e a Tamancalha e também a nossa linguagem. O público queria saber onde a gente se enquadra nesse universo musical, que não é nem Música Popular Brasileira, nem World Music”, comenta.

É que desde a sua fundação o Grupo Fato tem uma linguagem original que pode ser conferida com bastante maturidade no show Claro_Movimento.  O espetáculo é uma construção assinada pelo diretor teatral, iluminador, compositor e professor Márcio Mattana.

O repertório do show, com cerca de 75 minutos de duração, tem 11 canções do álbum Claro_Movimento, outras 4 das mais marcantes da trajetória do grupo e ainda uma inédita, que reverencia os índios Nambiquara.

 Os elementos cênicos escolhidos remetem às canções do grupo, que abordam temas e questões como movimento, transformação, paisagens e passagem do tempo. A ideia é compor uma estética que remete aos viajantes exploradores e que se acentua pela luz e sombra ao longo do espetáculo. A iluminação, portanto, é o cenário do show, o que facilita o show itinerante.

Os figurinos têm assinatura da H-AL – Alexandre Linhares e Thifany F., dupla que veste o Fato desde 2011 e que trabalhou também com Elza Soares e outros artistas, sempre usando técnicas de reciclagem de materiais.

O show

No show, todos os integrantes do grupo cantam e tocam, com os pés, os tamancos de fandango caiçara e a Tamancalha, instrumento batedor manual de tamancos criado para o grupo em 2002.

No espetáculo, Grace Torres está nos teclados; Ulisses Galetto no baixo e violão; Priscila Graciano na bateria e percussão; Daniel Fagundes na guitarra, baixo e percussão e Andrezza Prodóssimo, no acordeom, teclados e percussão corporal.

O show é vivo e dinâmico, todos os integrantes mudam de posição com frequência para cantar em solos, vocais e para trocar de instrumentos.

O álbum está à venda no link: https://tratore.com.br/smartlink/claromovimento