Mundo Empresarial Nas Gôndolas

Market4u uberiza operação para atender território nacional

Com o processo, a empresa pretende finalizar 2020 com 1.000 operações em funcionamento em todo o país

Vendo seu negócio expandir de forma exponencial, por conta da pandemia da COVID-19, os empresários Eduardo Córdova e Sandro Wuicik, da startup curitibana market4u decidiram uberizar a solução para atender cidades de todo Brasil.

“Todo plano de expansão estava estruturado com operação própria. Contudo, recebemos contatos de pessoas interessadas em levar nossa solução para praticamente todos os estados brasileiros. Em um momento tão delicado, acreditamos que chegou nosso momento de contribuir, ajudando e dando oportunidade para o maior número de pessoas crescerem junto com a gente”, afirmou o CEO, Eduardo Córdova.

O market4u é um mercado autônomo e inteligente, instalado dentro de condomínios, sem atendentes, baseado na confiança dos moradores, com a primeira operação em Curitiba lançada em fevereiro desse ano. Embora a primeira unidade seja recente, o projeto vem sendo estruturado pela Holding BioGrupo há um ano, com investimento próximo a R$ 3 milhões.

O plano de expansão, que já era ousado, ganhou força com a pandemia do coronavírus: em menos de dois meses, já são mais de 40 condomínios com a operação em funcionamento, mais de 30 contratos assinados para instalação nas próximas semanas e uma lista de espera de interessados. Com o grande interesse e procura pelo serviço, a empresa aumentou seu quadro de colaboradores em 800%, contratando mais de 30 pessoas para a operação. A expectativa é que até o final do primeiro semestre, 100 prédios curitibanos com mais de 100 apartamentos contem com o market4u.

O modelo de negócio ganhou visibilidade em outras cidades e com 70% dos interessados Brasil afora, a uberização se tornou a grande facilitadora da expansão da marca. O termo uberizar vem do “Uber”, aplicativo que conecta motoristas e passageiros. “Vamos conectar empresas e empresários dispostos a assumir a logística e instalação dos mercados, com os condomínios interessados em ter essa hiper comodidade disponível para os moradores”, afirma Eduardo Córdova.

A market4u vai licenciar seu aplicativo, desenvolvido com exclusividade para o modelo de negócio, a um baixo custo de implementação, para quem quiser abrir mercado em outras localidades. A função dele é ser um facilitador, um controle virtual e uma plataforma segura de pagamento. O morador escolhe o que deseja comprar sozinho e paga por meio dele, escaneando o código de barras pelo próprio celular. O cadastro é inteligente e ativado via CPF, o que impede que menores de 18 anos consigam destravar as geladeiras e adegas com bebidas alcoólicas. Além disso, o licenciado não precisa de dedicação exclusiva ao market4u, pois acompanha o estoque pelo aplicativo, analisando online quais itens precisam de reposição e quais venderam mais, fazendo uma logística inteligente, podendo, inclusive, exercer outras atividades.

O retorno para a empresa será uma porcentagem das vendas realizadas. “Vamos disponibilizar também nosso expertise, treinamentos e ótimos contratos com grandes marcas, o que já é realidade em Curitiba”, explica Córdova, que afirma que o primeiro negócio nesse modelo já foi implementado e validado em algumas unidades da capital paranaense.

O intuito é fazer com que a tecnologia auxilie outros empreendedores que, em tempos de pandemia da COVID-19, precisam ampliar sua renda e, por outro lado, moradores de condomínios que estão em quarentena ou isolamento voluntário.

“A uberização é a forma mais ágil de, além de oferecer novas oportunidades em momento tão delicado, levar nossa marca para todo país, pela facilidade de operação, instalação, logística e abastecimento”, conta o diretor comercial da market4u, Sandro Wuicik.

A empresa pretende também chegar a São Paulo no segundo semestre com a operação própria, além do licenciamento, com previsão de mais 300 operações na capital paulista ainda neste ano. Com o novo modelo de negócio, a expectativa é que o aplicativo chegue a 1.000 operações em diversas cidades do Brasil até o final de 2020.