Novidades Saúde

Março Lilás – mês de conscientização sobre o câncer de colo do útero

Com 950 novos casos, câncer de colo do útero deve ser
o segundo mais comum entre as paranaenses em 2018

Muitas doenças têm diferentes causas. Com o câncer de colo do útero, no entanto, há um maior vilão mais do que revelado. O vírus HPV é encontrado no DNA de 99,7% das pacientes que desenvolvem tumores malignos no colo do útero. Essa informação, disponível no Pathology Outlines:www.pathologyoutlines.com/topic/cervixSCC.html, reforça a importância da vacina anti-HPV quadrivalente, disponível nos laboratórios Frischmann Aisengart, referência em prevenção e medicina diagnóstica, no Paraná.

Em 2018, segundo estimativas do Instituto Nacional de Câncer (INCA), 950 novos casos de câncer de colo do útero serão registrados no Estado do Paraná. Esse dado representa que 14,1 entre cada 100 mil mulheres paranaenses devem receber o diagnóstico da doença este ano. Trata-se da terceira maior prevalência de câncer de colo uterino entre os Estados do eixo Sul-Sudeste, atrás apenas do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro.

De acordo com a médica onco-hematologista do Laboratório Frischmann Aisengart, Jerusa Miqueloto, é fundamental orientar a sociedade sobre a importância da vacinação de meninos e meninas antes do início da vida sexual. “Vírus HPV e câncer de colo do útero representam a mais íntima relação entre uma causa e uma doença. É uma associação até mais evidente do que ocorre entre tabagismo e câncer de pulmão”, observa.

A vacina quadrivalente imuniza contra os HPVs dos tipos 16 e 18 (que são responsáveis por cerca de 7 entre 10 casos de câncer de colo do útero) e dos tipos 6 e 11 (que causam 9 entre 10 casos de verrugas genitais). “Embora seja mais indicada para as meninas que ainda não iniciaram a vida sexual, por não terem se exposto ao vírus, é também recomendada para outras faixas etárias”, acrescenta Jerusa.

Apesar da eficácia da vacina, há mitos que dificultam a adesão às campanhas de vacinação. Segundo a médica onco-hematologista, a vacina contra os HPVs de alto risco é uma medida urgente e, também, segura. “São raros os casos em que há efeitos colaterais e eles não costumam ser severos”, afirma.

PCR e o diagnóstico do tipo de HPV

A maioria das mulheres terá algum contato com o vírus HPV ao longo da vida. Mas isso não é motivo para alarde. Estima-se que 9 entre 10 destas mulheres apresentará uma imunidade natural e, portanto, apenas 10% apenas estarão em risco de desenvolver as lesões pré-câncer. Em meio a esse cenário, desponta o teste de Reação em Cadeia de Polimerase (PCR), que possibilita fazer a tipologia do HPV, apontando se a paciente é positiva para algum HPV de alto ou baixo risco.

O teste de PCR investiga se o vírus iniciou o bloqueio do sistema de defesa, o que tornaria a paciente mais suscetível a desenvolver câncer. “O teste de PCR, quando identifica a presença de um HPV oncogênico, abre um importante caminho para o diagnóstico precoce de câncer de colo do útero”, complementa Jerusa Miqueloto.

Para as mulheres que iniciaram a vida sexual, explica a especialista, as demais alternativas para prevenir o câncer de colo de útero são o uso de preservativo nas relações sexuais e a realização periódica de exame de Papanicolau. “A avaliação com o ginecologista permite identificar e tratar lesões menos agressivas, seja em uma fase pré-câncer ou um câncer em fase inicial”.

Vacinação dos meninos

A vacina quadrivalente contra o vírus HPV é indicada também para os meninos. Os HPVs de alto risco estão também relacionados com tumores de garganta, pênis e ânus. Além disso, ao se imunizar ambos os sexos, quebra-se totalmente a cadeia de transmissão.