Educação Tecnologia e Games

Educação e games: como instituições de ensino podem prosperar ao unir diversão e aprendizado

Com o intuito de promover diversão e desenvolvimento de habilidades cognitivas e socioemocionais, UniCesumar realiza 1º torneio de games

Os games atraem quase metade do mundo – literalmente. É o que mostra a Newzoo, uma empresa de consultoria especializada responsável pelo estudo que apontou que, até o fim de 2020, aproximadamente 2,7 bilhões de usuários irão jogar algum game em todo o mundo.

A diversão é um resultado óbvio de jogar, mas o fato é que prática “e-sports” (ou “esportes eletrônicos”, em português) pode contribuir também para outras esferas da vida. Um exemplo é o interesse pela leitura. De acordo com uma pesquisa realizada no Reino Unido pela National Literacy Trust, dois em cinco jogadores se sentem motivados a lerem sobre os games que jogaram, além de que 73% demonstraram aumento de interesse por narrativas, o que pode despertar aptidões para a escrita.

Por meio do desenvolvimento de competências e habilidades de raciocínio e relacionamento, o ambiente educacional também é beneficiado pela prática de e-sports. Por isso, a Universidade Cesumar (UniCesumar) está promovendo o 1º Torneio UniCesumar de Games, uma competição criada com o objetivo de oferecer experiências diversificadas e transformadoras para os estudantes. A competição, que traz os games League of Legends, Fortnite e Clash Royale, faz da UniCesumar uma pioneira: essa é a primeira vez que uma instituição de ensino do Paraná realiza um torneio de e-sports .

.

“A inovação é uma das grandes marcas da UniCesumar”, diz a pró-reitora executiva de Ensino Presencial, Andrea Borim. Segundo ela, o torneio é uma chance de demonstrar a versatilidade da Instituição. “É uma ótima oportunidade de a UniCesumar mostrar aos alunos que está se renovando, sempre atenta às tendências e buscando oferecer experiências diferentes, disruptivas e transformadoras para eles.”

“Estávamos pensando em como promover uma experiência bacana aos alunos, para promover a confraternização entre eles nesse momento de pandemia. Nossa lógica foi a de que o esporte é algo que une a todos. Então, tivemos a iniciativa de fazer um torneio de e-sports“, explica o diretor executivo de Marketing e Vendas da UniCesumar, Bruno Rodrigues.

As partidas eliminatórias começaram no dia 12 de setembro. Para a grande final, marcada para o dia 26 de setembro, a UniCesumar e a Torneio de Jogos, parceria na realização, convidaram influenciadores digitais como Bruno Clash (Clash Royale), P3PO, Ale Harry (League of Legends) e Pai TB Joga (Fortnite), que narrarão e comentarão o jogo juntamente com Derik Dionízio, head da Torneio de Jogos. “Eles trazem um brilho diferente para o torneio, pois esses influenciadores são narradores oficiais desses games”, explica Dionízio.

.

head da Torneio de Games reforça a experiência que a empresa tem em trabalhar com instituições de ensino. “Aliando esses fatores à nossa paixão por games, integramos o projeto com nossos mãos, cabeças e coração, para que tudo saia melhor que o esperado. Jogar une pessoas, movimenta os amigos, aproxima e engaja o meio social.”

Além do torneio de games em si, outro ponto de atenção foi garantir que o projeto também fosse uma oportunidade de oferecer conteúdo sobre o universo dos jogos. Por isso, foi criado um cronograma de lives que incluem temas como habilidades adquiridas nos games, desenvolvimento de carreira, o crescimento da presença de mulheres nesse universo e os cuidados com a saúde física e mental dos jogadores. As transmissões estão ocorrendo nas redes sociais da UniCesumar, em parceria com a Homo Ludens, empresa especializada na promoção de cursos, palestras e pesquisas sobre a indústria de jogos digitais

“Os esportes eletrônicos possuem muitas das modalidades mais jogadas entre os jovens, e é importante que a universidade possa dar suporte a esta interação, especialmente durante este período de isolamento social. Tenho certeza que este campeonato irá gerar histórias que serão repetidas pelos alunos durante as próximas décadas”, reforça o sócio e fundador da Homo Ludens, Luiz Ojima Sakuda.

OS BENEFÍCIOS COGNITIVOS E SOCIAIS DOS GAMES

Para os estudantes, ter um torneio de e-sports na Instituição é uma oportunidade de explorar o universo gamer. Um deles é Weslley de Oliveira, aluno do 6º período de Administração da UniCesumar em Curitiba que está participando do campeonato no game League of Legends. No entanto, o interesse por jogos vem desde muito cedo. “Meu irmão mais velho me apresentou os jogos do PlayStation quanto eu tinha 4 anos”, conta.

Para Weslley, há muitos benefícios em participar de um projeto como o torneio de e-sports da UniCesumar. “O campeonato cria um laço de integração e amizade entre os alunos e a Instituição, com uma visão nova e mais moderna no mundo dos torneios. Os jogos também abordam nosso aprendizado com raciocínio analítico e lógico, planejamento estratégico e até mesmo liderança.”

A influência positiva que o ato de jogar pode representar é um ponto a ser ressaltado, inclusive por profissionais da área da saúde. De acordo com a psicóloga Bruna Greinert, os jogos têm grande impacto na sociedade – mesmo antes do surgimento dos games virtuais. “Isso vem desde a criação das Olimpíadas na Grécia. Mesmo depois de tantos séculos, essa prática se perpetua e isso tem uma razão: os games nos afetam de diversas formas, inclusive biologicamente.”

Entre os benefícios mais marcantes que o ato de jogar desperta estão a concentração e o raciocínio lógico. Greinert ressalta que esses fatores, elementares para a prática de games, podem ser conduzidos para outras esferas do cotidiano.

.

A elaboração de capacidades socioemocionais também ganha espaço universo games. “A forma como as pessoas se comportam no jogo reflete a forma como elas se colocam na vida. Por isso, recursos emocionais para enfrentar problemas e adversidades, como a capacidade de tolerar a frustração, é algo possível por meio dos games. Se você vai jogar em equipe, isso aumenta mais ainda. Essa característica de aprender a aceitar derrotas e quebras de expectativa é algo muito difícil de se ter na nossa contemporaneidade, pois as pessoas estão cada vez mais intolerantes”, explica a psicóloga.

Esses resultados positivos são acentuados pelo resultado óbvio, mencionado no início: a diversão. “É um momento em que você tem a oportunidade de entrar em contato com as suas emoções, com algo que te desperta a sensação de prazer e felicidade. O jogar nos convoca e nos permite entrar em contato com esses momentos de felicidade e pode funcionar até como um convite para que as pessoas se atentem a esse aspecto da vida, que pode não estar recebendo a devida atenção”, pontua Bruna.