Bem Estar Saúde

ACADEMIA DO CORAÇÃO RECEBE ALEX E TCHECO PARA SEMINÁRIO SOBRE FUTEBOL

Ex-jogadores falaram sobre a transição das crianças do futsal para o campo em evento do Hospital Cardiológico Costantini

A Academia do Coração, espaço do Hospital Cardiológico Costantini que une atividade física e acompanhamento médico, iniciou um calendário anual de cursos e seminários temáticos para capacitação de profissionais da saúde na área esportiva. Para a estreia, contou com a presença dos ex-jogadores Alex e Tcheco, que contaram suas experiências sobre a temática Transição Salão/Campo: como conduzir em jovens atletas.

O fisiologista do esporte, Rafael Macedo, explicou que as ações buscam debater dados científicos e promover a atividade física como uma ferramenta de bem-estar social. “A ideia é discutir questões relevantes da medicina esportiva do dia a dia que melhorem a integração entre profissionais atuantes em modalidades esportivas como fisioterapeutas, nutricionistas, educadores físicos e envolvidos com o futebol de salão e de campo, neste caso”.

De acordo com Macedo, em 2018, a Academia do Coração recebeu 21 crianças e adolescentes, entre 8 e 14 anos, com lesões nos membros inferiores por sobrecarga de treinamento. Por conta da transição precoce entre salão e campo, a instituição viu aumentar a demanda de jovens jogadores de futebol, o que levantou o debate sobre como os pequenos estão sendo conduzidos nesse processo. 

“90,5% dessas crianças treinavam, pelo menos, cinco vezes durante a semana, revezando entre as modalidades, sem contar a quantidade de jogos dos quais eles participaram. Esses são casos que chegaram até nós no Hospital Cardiológico Costantini. Quantas crianças não chegam? E isso nos fez perceber a necessidade de debater esse assunto”, comentou.

Convidado a contar suas experiências no início da carreira, Tcheco, que já treinou e jogou pelo Coritiba Foot Ball Club, reconheceu a necessidade de atenção ao tema. “A minha transição do futebol de salão para o futebol de campo entre 16 e 17 anos, idade considerada tardia nos dias de hoje, foi a convite de um professor e aconteceu de forma muito rápida, talvez, até de maneira incorreta. Mas, era o que tínhamos na época”, disse o ex-atleta.

Também ex-Coritiba, Alex ressaltou a importância de se discutir os dados da medicina esportiva. “Quem é da bola pode até achar um tema chato e complexo, mas é um trabalho, às vezes invisível, com uma grande importância para que, desde os atletas profissionais descendo até os pequenos, haja uma preocupação em como evitar acidentes”.

Brasil carece de estudos e metodologia

O professor doutor da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Elto Legnani, levou para o auditório do Hospital Cardiológico Costantini um questionamento central: existe um modelo de treinamento para praticantes do futebol? “A ciência esportiva é muito recente em todo o mundo, no entanto, aqui no Brasil costumamos nos guiar pelo senso comum, apostando não no que é certo, mas no que traz mais gols”.

De acordo com o Diagnóstico Nacional do Esporte (Diesporte) publicado em 2013, o futebol, considerando salão e campo, continua na dianteira como modalidade esportiva mais praticada no Brasil, seguido de atividades em academias e das trilhas e caminhadas. Por isso, Legnani ressaltou a necessidade de se definir um modelo de treinamento para crianças.

Segundo o professor, o ideal é que os pequenos tenham atividades gerais e diversificadas até os dez anos de idade com foco no desenvolvimento motor. A partir disso, pode ser iniciado um trabalho de especialização com foco em apenas um esporte. Neste caso, o futebol.

Academia do Coração e novos cursos

No dia 4 de abril, Cristiane Carvalho, nutricionista do Serviço de Medicina Esportiva do Hospital Cardiológico Costantini e ex-chefe do Departamento de Nutrição do Club Athletico Paranaense, palestrará sobre bases nutricionais para esportes de endurance. O evento é voltado para acadêmicos e profissionais da área e a inscrição custa R$ 40,00.

A Academia do Coração é o primeiro fitness center com segurança hospitalar, conforto e sob a supervisão de uma equipe multidisciplinar altamente capacitada, formada por médicos cardiologistas, ortopedistas e médico do esporte.

Além da prática de exercícios físicos regulares e musculação, o espaço também oferece reabilitação ortopédica, reabilitação pulmonar, treinamento supervisionado e individualizado para diabéticos, hipertensos, obesos, fumantes e dislipidêmicos, entre outros. É também na Academia do Coração que funciona o serviço de Medicina Esportiva do Hospital Cardiológico Costantini, voltado para atletas de alto rendimento.